Make your own free website on Tripod.com

Respiração   -   Nosso estudo

 

Os diferentes processos serão estudados no Curso de Fisiopatologia Aplicada em 4 etapas, a saber:

[1] Anatomia do Sistema (macroscópica e microscópica)

[2] Mecânica Respiratória (a biofísica do sistema)

[3] Trocas Gasosas (entre gás alveolar e sangue capilar pulmonar)

[4] Transporte de gases respiratórios e controle da respiração

 

A área de superfície para troca gasosa aumenta em função das necessidades metabólicas. A área de superfície alveolar total em adulto médio corresponde a 80 m2, um valor 40 vezes maior que a superfície da pele, que também está em contato com o meio ambiente.

 

Os sistemas cardiovascular e respiratório funcionam de modo integrado fornecendo uma quantidade adequada de sangue arterializado a cada momento à totalidade dos tecidos corporais. Isso ocorre em ao menos 4 etapas:

1) sangue venoso misto, contendo pouco oxigênio e muito gás carbônico, é bombeado para os pulmões;

2) o sangue venoso misto que flui através dos capilares pulmonares sofre hematose, ou seja, recebe oxigênio do gás alveolar e perde CO2, via trocas gasosas alvéolo-capilares;

3) tornando-se arterializado, esse sangue é distribuído para todos os tecidos corporais na exata medida das suas necessidades;

4) a troca de O2 e CO2 ocorre entre o sangue contido nos capilares sistêmicos e as células teciduais.

A primeira, terceira e quarta etapas desse processo correspondem às funções principais do sistema cardiovascular, enquanto que a segunda etapa é a função principal do sistema respiratório.

 

A função ventilatória do pulmão consiste em manter uma constante e ótima pressão parcial de oxigênio e gás carbônico nos alvéolos pulmonares e, assim, garantir boa função respiratória para o sistema como um todo.

 

A ventilação pulmonar é um processo dinâmico de inspiração seguida de expiração, pela qual ar fresco penetra nos alvéolos, renovando o ar aí contido. Durante o funcionamento do sistema respiratório, ar e sangue venoso sistêmico percorrem juntos o parênquima pulmonar, separados apenas pela membrana alvéolo-capilar.

 

Os alvéolos são ventilados durante cada ciclo respiratório pela parte do volume corrente que consegue atravessar a zona do espaço-morto anatômico; em adultos normais, esse volume de ar alveolar corresponde a cerca de 4 L/min, sendo 350 ml em cada inspiração.

 

De fato, um volume mínimo de 4 litros por minuto é necessário para que ocorra a perfeita hematose dos 5 litros de sangue venoso misto bombeado pelo coração direito para os capilares pulmonares. Essa ventilação alveolar é usualmente obtida com um volume minuto respiratório de 6 litros por minuto, pois 1/3 (2 litros) ventilam as vias aéreas condutoras, que são regiões de espaço-morto anatômico.

 

Tal volume de ar alveolar é acrescentado ao ar já existente no pulmão, correspondendo a cerca de 3500 ml (ao nível da capacidade residual funcional).

Portanto, a cada inspiração normal, são renovados apenas 10% do gás alveolar, o que garante estabilidade nas tensões parciais dos gases respiratórios.

Além de ter um volume mínimo de 4 litros por minuto, a ventilação alveolar deve ser dividida proporcionalmente a cada um e todos os 300 milhões de alvéolos. A distribuição da ventilação sofre influência da força de gravidade, e também da desigual distribuição da resistência as vias aéreas e da complacência pulmonar. Mesmo no pulmão normal, a distribuição da ventilação, contudo, não é uniforme.

 

A cada ciclo cardíaco, os capilares pulmonares recebem cerca de 70 ml de sangue venoso a ser arterializado, cuja distribuição ao longo dos pulmões sofre influência da força gravitacional.

 

Ainda que haja ventilação em volume e distribuição adequados, e que a difusão esteja se processando sem problemas, a hematose requer perfeito encontro da ventilação com a perfusão, sob pena de haver ventilação de áreas não perfundidas ou hipoventilação de área bem perfundidas. Em ambos os casos de desequilíbrio da relação ventilação-perfusão, pode ocorrer hipoxemia arterial que, se grave, representa insuficiência respiratória, uma condição potencialmente fatal.

 

                   Página Anterior                Próxima Página                 Índice Diabetes Mellitus