Make your own free website on Tripod.com

Anatomia   Macro  e  Microscópica  do  Sistema  Respiratório

Padrões  Ventilatórios

 

São definidos dois padrões ventilatórios:

  • costal

  • diafragmático

  •  

    1) Padrão Respiratório Costal

     

    A) Inspiração Costal Normal

    Numa inspiração costal normal, os músculos intercostais externos aumentam o volume torácico. Isso reduz a pressão torácica entre -5 e -10 cmH2O, produzindo um volume corrente. Os músculos intercostais externos funcionam como elevadores das costelas, em função de suas inserções.

     

     

    B) Expiração Costal Normal

    A expiração passiva ocorre em decorrência da retração elástica, que pode ser: 1) extrínseca (torácica); 2) intrínseca (pulmonar).

     

     

    1) Retração elástica extrínseca torácica

    A elevação das costelas, produzida pela contração dos intercostais externos, deforma a caixa torácica, sobretudo as cartilagens costais. Quando os intercostais externos relaxam, a energia estocada (energia potencial elástica) é liberada, rolando as costelas para baixo, de volta à sua posição de repouso expiratório. A importância deste mecanismo diminui com a idade, em decorrência da perda da elasticidade (rigidez) das cartilagens costais.

     

     

    2) Retração elástica intrínseca pulmonar

    A inspiração estira o tecido elástico pulmonar, que assim tende a retrair, colapsando os pulmões. Os intercostais externos se contraem contra essa retração, que fica libe- rada quando há relaxamento da musculatura inspiratória. Doenças como enfisema pulmonar reduzem a retração elástica pulmonar, dificultando o esvaziamento passivo pulmonar.

     

     

     

    C) Inspiração Costal Forçada

    Ocorre quando é necessário um volume minuto acima de 7 L/min; contribui, assim, para o volume de reserva inspiratório . Os principais músculos accessórios ativados em auxílio aos intercostais externos são:

    1) esternocleidooccipitomastoideos

    2) escalenos

    3) peitorais

     

     

     

    D) Expiração Costal Forçada

    Colabora para os 1,2 L do volume de reserva expiratória, e visa criar uma pressão pleural positiva, que comprime os pulmões, forçando a saída de ar. Envolve a contração dos músculos intercostais internos e os músculos torácicos transversais, que reduzem o volume torácico principalmente através do abaixamento das costelas. O músculo quadrado lombar exerce um importante efeito estabilizador das últimas costelas, indispensáveis como pontos de apoio para o abaixamento de todo o gradil costal.

     

     

     

     

    2) Padrão Respiratório Diafragmático

     

    A) Inspiração Diafragmática

    A contração do diafragma abaixa a sua cúpula, aumentando o diâmetro longitudinal do tórax, cuja excursão máxima pode chegar a 10 cm. O relaxamento simultâneo dos músculos da parede anterior do tórax favorece essa inspiração, pois a descida da cúpula diafragmática implica em mobilização das vísceras abdominais.

     

    B) Expiração Abdominal

    Contribui para o volume de reserva expiratória, pois antagoniza a ação do diafragma. A contração da musculatura abdominal força as vísceras subdiafragmáticas para cima, em direção ao tórax, reduzindo o volume deste.

     

     

     

     

    Efeitos da Gravidade

     

    Na posição de pé ou sentada, a tendência é que as vísceras abdominais e torácicas desçam, ao passo que, na posição horizontal, a gravidade puxa as vísceras abdominais em direção ao tórax, dificultando a inspiração.

     

               Página Anterior                       Próxima Página                     Índice Diabetes Mellitus